fluxo litosférico
[Inglês: creep]

Deformação visco-elástica a viscosa e lenta de rocha sólida em consequência da aplicação de tensões baixas por longo período de tempo e a partir de determinadas condições termodinâmicas da litosfera sendo diferenciais entre minerais e rochas diferentes.

Creep pode ser traduzido, no caso, também por rastejamento ou deslizamento. Por analogia com deslizamento de solo -soil creeping - traduzido para solifluxão, talvez pudéssemos usar um novo termo: "litofluxão" para traduzir creep.
Em pequenas profundidades da crosta terrestre, com temperaturas e pressões confinantes baixas, o comportamento das rochas e seus minerais é, essencialmente, rúptil (quebradiço) quando submetido a tensões, mas à medida em que aumenta a profundidade (>pc e >t) mesmo pequenas tensões litosféricas, se aplicadas por longo tempo, fazem a rocha fluir (creep) no estado sólido por deslizamentos sobre clivagens, zonas fraturadas intra e intercristalinas, deformações de retículos cristalinos,..
Na aplicação de uma tensão a deformação por fluxo litosférico lento (creep) tem comportamento em 3 estágios (ex.gr. Park,1989) ao longo do tempo: fluxo primário visco-elástico; fluxo secundário: viscoso; fluxo terciário: viscoso acelerado atingindo o colapso ao fim.
O termo creep também é usado para indicar movimentos lentos e continuados em falhas que, por isto, tendem a não serem sísmicas.

[Ver Geol 456/656 - Lithospheric Deformation no site de Nevada Seismological Lab]
[Ver creep com significado de movimento lento em falhas no site Visual Glossary do USGS]

 

[Autor: Winge,M.; Colab. D'El-Rey Silva,L.J.H.]
Home page Glossário Geológico