Vulcanismo Rodeio Velho do Arroio Carajá, Caçapava do Sul, RS

SÍTIO DISPONÍVEL PARA CANDIDATURA À DESCRIÇÃO USANDO FORMULÁRIO
e observando que o sítio a ser descrito deve ser o mesmo sítio já aprovado quanto a área abrangida, tipologia... Se houver diferenças significativas, deve ser proposto novo sítio

De: Manfredo Winge [mailto:mwinge@terra.com.br]
Enviada em: terça-feira, 25 de outubro de 2005 15:59
Para: Wilson Wildner (wwildner@pa.cprm.gov.br); Ricardo Cunha Lopes (cprm_pa@portoweb.com.br); Evandro Fernandes de Lima (evandro.lima@ufrgs.br)
Assunto: Sitio 003- Arroio Carajá/RS
 
Prezados Wilson, Ricardo e Evandro,
 
dos sítios aprovados pela SIGEP, temos o abaixo listado que foi, ao que me consta, sugerido por voces.
 
Pergunto:
1- estariam dispostos a retomar a descrição do mesmo ?
2- caso negativo, poderiam indicar alguem que trabalhou com voces na área e que poderia descrevê-lo?
 
Se houver decisão positiva, favor acessar e preencher o formulário em http://www.unb.br/ig/sigep/formulario.htm 
 
Caso tenham informações de que esse sítio, por desastre natural, por depredação  e/ou outras causas, tenha perdido suas características originais, não se justificando mais cadastrá-lo como sítio a ser protegido e, eventualmente, ser alçado a patrimônio da Humanidade, favor nos comunicar dessa situação.
 
Aguardamos
Manfredo
p/ Comissão Editorial do Volume II

Manfredo Winge

3. Arroio Carajá, Caçapava do Sul, Rio Grande do Sul
Wilson Wildner; Ricardo Cunha Lopes; Evandro Fernandes de Lima

Ígneo

Um dos mais bem preservados exemplos de manifestações vulcânicas do limite Neoproterozóico-Paleozóico.


De: Evandro Fernandes de Lima [mailto:evandro.lima@vortex.ufrgs.br]
Enviada em: segunda-feira, 9 de outubro de 2000 11:29
Para: Manfredo Winge
Assunto: Re: Sitio 003- Arroio Carajá/RS

 
Manfredo segue em arquivo anexado uma descrição do sítio.

ANEXO:

Vulcanismo  Rodeio Velho do Arroio Carajá

Evandro F. de Lima, Wilson Wildner, Ricardo Cunha Lopes, Carlos Augusto Sommer, Breno Leitão Wiachel

          Manifestações vulcânica andesíticas na forma de traps, intercalados concordantemente com arenitos arcosianos relacionados a deposição da Formação Santa Bárbara, foram denominadas pôr Ribeiro et al. (1966) como Membro Rodeio Velho. Tais manifestações, embora cartografadas em mapeamentos geológicos rescentes, não foram ainda estudadas com o devido detalhamento, resumindo-se ao posicionamento geográfico e a descrições sumárias de suas ocorrências, situadas ao sul da Mina de Camaquã (região de Caçapava do Sul - RS), na localidade de Rodeio Velho, e a sul do Passo do Correio. Este evento vulcânico representa as últimas manifestações vulcânicas ocorridas durante o Cambro-ordiviciano, no final do Ciclo Orogenético Brasiliano, associado aos depósitos terrígenos das bacias do Camaquã e Santa Bárbara .O Membro Rodeio Velho, foi descrito por Ribeiro et al. (1966) como um evento vulcânico formado pôr um mínimo de três derrames de andesitos vesiculares, com uma espessura estimada de cerca de 100  metros, , isentos de evidências de atividades explosivas e mostrando superfícies onduladas. Trabalhos recentes efetuados sobre este vulcanismo, Lima et al. (1995), tem demostrado uma complexa estruturação destes depósitos, com a preservação de estruturas de derrames de lavas compostas dos tipos em corda e aa, e que são aqui detalhadas, identificando-se estruturas de fluxo inflado e do tipo festão em corda. Os derrames ocorrem  na forma de lóbulos lenticulares medindo entre 0.5 e 2.0 metros de espessura, contendo lôbulos ocos decimétricos nas porções distais. O topo e a base dos derrames são altamente vesiculados, compondo até cerca de 40% dos depósitos, muitas vezes contendo amígdalas na forma de pipes concentrados nas porções basais. As texturas e estruturas identificadas nestes depósitos representam formas características de derrames de lavas toleíticas hawaianas do tipo pahoehoe, cujas descrições  representam o ponto central deste trabalho. a formação de feições vulcânicas singulares como lôbulos de lava, esta diretamente relacionada a viscosidade do magma quando da sua extrusão, bem como da sua taxa de efusão, tendo sido descritos no Arquipélago Hawaiano e nas províncias quaternárias basálticas da Austrália (Hon et al. 1994).Estes autores descrevem que tubos de lavas, estão diretamente relacionados a fluxos laminares inflados de lavas do tipo pahoehoe, normalmente de baixo volume (0.1 - 10km3), apresentando superfícies de derrames que são típicas, geradas pelas diferenças de velocidade e de suprimento de lavas. A medida que ocorre uma diminuição no suprimento na área fonte o fluxo naturalmente decresce, promovendo um rápido resfriamento da crosta externa do derrame. Em um primeiro momento, a crosta resfriada apresenta uma alta plasticidade, funcionando como uma película que serve para reter o fluxo de lavas que vão se acumulando pôr sob esta membrana, formando os fluxos inflados. São estruturas típicas destes derrames, estruturas  do tipo pahoehoe, criadas em resposta as pressões internas geradas pelo aporte constante de lava. Após uma cristalização de cerca de 2 a 5 cm da porção externa dos derrames, o comportamento passa a ser gradativamente mais rígido, imprimindo uma resistência ao fluxo da lava, gerando o rompimento e a fragmentação das porções frontais dos lóbulos inflados, formando depósitos de lavas em bloco ou do tipo aa. Cas & Wright (1987), analisando a construção de lôbulos de lava, consideram que ocorre um fluxo laminar incandescente que desloca-se gradualmente desenvolvendo a cristalização de uma carapaça a qual  forma um teto e  porções laterais ao fluxo, forçando a lava a inicia a escolher caminhos preferenciais mais restritos, os quais podem resultar na geração de canais ou tubos de lava, os quais servem como dutos para o escoamento da demanda de efusão. Quando cessa o suprimento de magma ao longo deste, ou ocorre o rompimento da crosta do tubo, o escoamento da porção líquida interna pode deixar canais internos ocos. O escoamento de lava pode levar a formação de novos tubos, que poderão coalescer, cortar-se ou se deslocar paralelamente, determinando um complexo padrão. O deslocamento de fluxos espessos e rápidos de lavas geralmente acarretam a geração de tubos com tendência retilínea, enquanto que deslocamentos mais lentos de fluxos pouco espessos tendem a formar padrões meandrantes. estruturas do tipo festão em corda, representam a superfície enrugada de forma assimétrica da porção superior dos derrames, a qual é gerada pelo amarrotamento de uma fina crosta quente e flexível que recobre os fluxos inflados, caracteristicamente ao longo de canais assimétricos onde ocorrem fluxos não-newtonianos, gerando um enrugamento assimétrico da superfície externa do derrame ainda plástico. As vesículas do tipo pipe, ou amígdalas se preenchidas, são de ocorrência comum  próximo a base dos derrames do tipo pahoehoe, conforme descritas pôr Walker (1987), servindo como um sensível indicador geopetal e de paleomergulhos. formam-se apenas em lavas cujo mergulho do substrato não ultrapasse os 4o,  as distâncias das áreas de vent parecem não ter influências sobre sua geração; apresentam-se normalmente com 3 a 8 mm de seção transversal, e  2 a 3 cm de comprimento.  iniciam tipicamente a alguns centímetros da base dos derrames, sugerindo que sejam formadas pelos gases exsolvidos no magma, e não trapeados da superfície do terreno ou da atmosfera.

Referências Bibliográficas:

Hon, K.; Kauahikaua, J.; Delinger, R, and Mackay, K. 1994. Emplacement and inflation of pahoehoe sheet flows: Observations and measurements of active lava flows on Kilauea Volcano, Hawaii. Geol. Soc. Am. Bulletin, 106, p.351-370.

Walker, G.P.L. .1987. Pipe vesicles in Hawaiian basaltic lavas: Their origin and potential as paleoslope indicators. Geology, 15,p.84-87.

CAS,R.A.F.; WRIGHT, J.V.1987. Volcanic Successions - modern and ancient: a geological approach to processes, products and successions. 1 ed.London, Allen & Unwin, 528p.

Ribeiro, M.; Bocchi, P.R.; Figueiredo filho, P.M. e Tessari, R.I. 1966. Geologia da Quadrícula de Caçapava do Sul, R.G.do Sul - Brasil. DNPM, (Boletim especial no 127).

Lima, E.F.de,; Wildner, W.; Lopes, R.C. da C.; Sander, A. e Sommer, C.A. (1995) Vulcanismo neoproterozóico associado às bacias do Camaquã e Santa Barbara - RS: uma revisão. In:Simp. Sul-Bras. Geol.,6, Enc. Geol. Cone Sul,1,Porto Alegre, Resumos ..SBG, 197-199.


De: Manfredo Winge [mailto:mwinge@terra.com.br]
Enviada em: quinta-feira, 27 de outubro de 2005 10:00
Para: Evandro Fernandes de Lima (evandro.lima@ufrgs.br)
Cc: 'Mylène Berbert Born (berbert@terra.com.br)'; Carlos Schobbenhaus (ninaschobbenhaus@pop.com.br); Carlos Schobbenhaus (schobben@df.cprm.gov.br); Célia Regina de Gouveia Souza (celia@igeologico.sp.gov.br); 'Diogenes de Almeida Campos (dac@abc.org.br)'; 'Emanuel Teixeira de Queiroz (emanuel@dnpm.gov.br)'; 'Manfredo Winge (manfredo@unb.br)'
Assunto: ENC: Sitio 003- Arroio Carajá/RS
 
Prezado Evandro,
Recebi o seu resumo que repasso para conhecimento da comissão editorial.
 
Favor dê uma navegada no site http://www.unb.br/ig/sigep/index.html para ter uma noção mais precisa dos formatos dos trabalhos já publicados e que seguem as instruções da SIGEP: http://www.unb.br/ig/sigep/InstrucoesAutores.htm
 
O preenchimento do formulario http://www.unb.br/ig/sigep/formulario.htm  é muito fácil e destina-se a termos o registro de compromisso firme de descrição por parte dos autores junto com uma boa definição prévia do próprio sítio a ser descrito.
 
Abraço
Manfredo

De: Manfredo Winge [mailto:mwinge@terra.com.br]
Enviada em: quarta-feira, 15 de agosto de 2007 15:36
Para: Wilson Wildner (wwildner@pa.cprm.gov.br); Evandro Fernandes de Lima (evandro.lima@ufrgs.br); Ricardo Cunha Lopes (cprm_pa@portoweb.com.br)
Assunto: Sitio 003- Arroio Carajá/RS - solicita informações
Prioridade: Alta
 
Prezados colegas  Wilson, Ricardo e Evandro,
 
estamos revisando as propostas aprovadas pela SIGEP cujas descrições, expressas em artigos científicos, poderiam compor capítulos do Volume III do livro SÍTIOS GEOLÓGICOS E PALEONTOLÓGICOS DO BRASIL.
 
 Verificamos que, após o  último email abaixo, não tivemos mais contato.
 
 Desta forma, pedimos o especial obséquio de atenderem ao solicitado no primeiro e-mail:
"Pergunto:
1- estariam dispostos a retomar a descrição do mesmo ?
2- caso negativo, poderiam indicar alguem que trabalhou com voces na área e que poderia descrevê-lo?
Se houver decisão positiva, favor acessar e preencher o formulário em http://www.unb.br/ig/sigep/formulario.htm 
Caso tenham informações de que esse sítio, por desastre natural, por depredação  e/ou outras causas, tenha perdido suas características originais, não se justificando mais cadastrá-lo como sítio a ser protegido e, eventualmente, ser alçado a patrimônio da Humanidade, favor nos comunicar dessa situação. " 
  
Atenciosamente 
 Manfredo
p/ Comissão Editorial do Volume III
 
Manfredo Winge
Representante da SBG na SIGEP: