SIGEP - COMISSÃO BRASILEIRA DE SÍTIOS GEOLÓGICOS E PALEOBIOLÓGICOS
(ABC-ABEQUA-CPRM-DNPM-IBAMA-IBGE-IPHAN-PETROBRÁS-SBE-SBGeo-SBP)
=======================

PROPOSTA DE SÍTIO GEOLÓGICO ou PALEOBIOLÓGICO DO BRASIL
A SER PRESERVADO COMO PATRIMÔNIO NATURAL DA HUMANIDADE

1. NOME do SÍTIO(*):   Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP
 
(*)nome consagrado (se não existir proponha um nome conciso que indique o tipo de sítio) seguido do local e da sigla do estado
2. PROPONENTE  Silvio Takashi Hiruma
Endereço p/ postagem: Instituto Geológico - Avenida Miguel Stéfano, 3900 – Água Funda – CEP 04302-050 – São Paulo - SP
Instituição: Instituto Geológico – Secretaria do Meio Ambiente/SP
Fax: (11) 5077-2219
Telefone: (11) 5073-5511 ramal 2067
e-mail: sthiruma@gmail.com
Endereço curriculum Lattes:
http://lattes.cnpq.br/3931379703382167

Data da proposta: 10/08/2010  

Marque a alternativa correta abaixo:
você está propondo:
[X] sítio geológico/paleobiológico ainda não sugerido à SIGEP e candidatando-se à sua descrição (*);
[  ] sítio geológico/paleobiológico ainda não sugerido à SIGEP sem candidatar-se à sua descrição; 
[  ] candidatar-se à descrição (*) de sítio geológico/paleobiológico já sugerido e aprovado pela SIGEP.
(*) - o sítio deverá ser descrito em duas versões, português e em inglês, e de acordo com as Instruções aos Autores.

OBS: A Pedra do Baú figura na lista de sugestões preliminares do site da SIGEP, porém não formalizadas.

4. CASO tenha estudado o sítio e ESTEJA SE CANDIDATANDO A DESCREVÊ-LO com artigo científico, informe:

a) Tempo previsto para ENTREGA da MINUTA(*), após a aprovação da proposta:     7 MESES   

b) Sugestão preliminar de TÍTULO e de SUBTÍTULO de artigo sobre o sítio (*):

A formação rochosa da Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP
Registro dos eventos de soerguimento e denudação pós-ruptura continental


c) CO-AUTORES(**): 

Antonio Luiz Teixeira, Instituto Geológico - Secretaria do Meio Ambiente/SP
Currículo Lattes:
http://lattes.cnpq.br/5223332329314921
E-mail: candeias@igeologico.sp.gov.br

(*) Consulte as Instruções aos Autores: http://www.unb.br/ig/sigep/InstrucoesAutores.htm 
(**)
Autor principal é o proponente. Informar co-autores com participação efetiva nos estudos e elaboração do artigo em ordem de importância, indicando Nome Completo, Instituição, curriculum Lattes, e-mail

5. TIPOLOGIA(s) DO SÍTIO (marque com XX o tipo mais característico do sítio e com X os demais):
[   ]Astroblema                 
[   ]Estratigráfico              
[   ]História da Geologia, Mineração, Paleontologia..
[   ]Marinho-submarino  
[   ]Metamórfico                
[   ]Paleoambiental           
[   ]Sedimentar                  
[   ]Outro(s):
[   ]Espeleológico  
[XX]Geomorfológico
[   ]Hidrogeológico (somente casos especiais e com outra tipologia significativa associada)
[   ]Ígneo
[   ]Metalogenético
[   ]Mineralógico
[   ]Paleontológico
[X]Tectono-estrutural

Observação: [   ] Inclui vestígios arqueológicos  -  [   ] Interesse Histórico/Cultural

6. LOCALIZAÇÃO
a. Município(s)/UF:
São Bento do Sapucaí/SP
b. Nome do local: Serra do Baú, Planalto de Campos do Jordão, Serra da Mantiqueira
c. Coordenadas geográficas (Lat/Long) do centróide da área do sítio: 
22º41’16”S/45º39’35”W
7. JUSTIFICATIVAS(*):

Trata-se de uma feição geomorfológica de grande beleza cênica, situada na borda noroeste do Planalto de Campos do Jordão, Serra da Mantiqueira. A história evolutiva da região da Pedra do Baú relaciona-se a importantes eventos tectônicos e denudacionais que se seguiram à ruptura continental entre Brasil e África.

(*)para a inclusão como PATRIMÔNIO MUNDIAL DA HUMANIDADE - máximo de 150 palavras

8. BREVE DESCRIÇÃO DO SÍTIO(*):

A Pedra do Baú, Município de São Bento do Sapucaí, é uma imponente feição geomorfológica situada na Serra do Baú, borda noroeste do Planalto de Campos do Jordão (Serra da Mantiqueira). Trata-se de uma das principais atrações turísticas da região, muito visitada por aqueles que praticam alpinismo ou para lazer. Do seu ponto culminante (1905 m), é possível visualizar uma grande extensão do Vale do Paraíba, sul de Minas e o Pico Agudo, com 1700 m de altitude. A Serra do Baú constitui um festão escarpado, com paredões rochosos de mais de 300 m, que engloba as formações rochosas denominadas de Bauzinho, Pedra do Baú e Ana Chata. Essa serra é o divisor das bacias dos ribeirões Paiol Grande e do Baú, afluentes do Rio Sapucaí-Mirim.
A Pedra do Baú alinha-se segundo a direção NE-SW, concordante com a estruturação pré-cambriana dada pelas falhas de Jundiuvira, São Bento do Sapucaí e Paiol Grande, reativadas durante o Cenozóico. É formada por gnaisses migmatíticos neoproterozóicos, atribuídos ao Complexo Varginha-Guaxupé.
A evolução do relevo do Planalto de Campos do Jordão, onde se insere a Pedra do Baú, está intimamente relacionada aos processos tectono-magmáticos e denudacionais que se sucederam à ruptura continental e à abertura do Oceano Atlântico Sul. Os limites do planalto são essencialmente tectônicos. Resultados preliminares da análise de traços de fissão em apatitas, obtidas no frontão sudeste do planalto, forneceram idades em torno de 100 Ma e registram episódios de soerguimento e de denudação possivelmente associados ao magmatismo alcalino e à formação do Rift Continental do Sudeste do Brasil (RCSB). Na porção leste do Estado de São Paulo, a origem e evolução do RCSB durante o Paleógeno teve um papel decisivo na configuração atual do relevo, representada pelas Serras do Mar e da Mantiqueira, como feições soerguidas, e a Bacia de Taubaté, como feição rebaixada.
A individualização da Pedra do Baú ocorreu por processos de erosão diferencial ao longo da borda noroeste do Planalto de Campos do Jordão, condicionados principalmente por fatores litológicos e pelo arranjo das estruturas pré-existentes.

 

Figura 1: Modelo digital de terreno (SRTM/NASA) do Planalto de Campos do Jordão. A região da Pedra do Baú está indicada pelo círculo vermelho. Abaixo, vista da Pedra do Baú do sul de Minas.

  

Figura 2: Foto da Pedra do Baú.

(*)Máximo de 1.000 palavras. Anexar ao e-mail até 2 fotos (máximo 500 kbytes cada) significativas do sítio e, se disponíveis, links ou até capítulo de tese ou de artigo do proponente sobre o sítio

9. VULNERABILIDADE DO SÍTIO A ATIVIDADES DE MINERAÇÃO OU DEGRADAÇÃO AMBIENTAL(*):

A área encontra-se bem preservada, constituindo um importante ponto turístico.

(*)Caso o sítio esteja sob riscos iminentes ou já existentes de depredação ou de destruição natural, informe sucintamente quais são e as causas

10. SITUAÇÃO ATUAL DE CONSERVAÇÃO E ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA PROTEÇÃO:

A área da Pedra do Baú e entorno está inserida na Área de Proteção Ambiental Estadual de Sapucaí-Mirim (Decreto Estadual nº 43.285 de 3 de julho de 1998) e na Área de Proteção Ambiental Federal da Serra da Mantiqueira (Decreto Federal nº 91.304, de 3 de junho de 1985). Os responsáveis pela gestão dessas unidades são, respectivamente, a Fundação Florestal e o IBAMA.
A equipe responsável pela presente proposta também irá propor que a Pedra do Baú se torne um Monumento Geológico do Estado de São Paulo, a partir da sugestão do Conselho Estadual de Monumentos Geológicos (CoMGeo-SP). Além disso, iniciativas estão sendo tomadas pelo poder público para que essa área seja transformada em Monumento Natural, aumentando significativamente seu grau de proteção e preservação.
 

11. BIBLIOGRAFIA REFERENTE AO SÍTIO PROPOSTO ORDENADA POR DATA(*):

MODENESI, M.C. 1983. Weathering and morphogenesis in a tropical plateau. Catena, 10(3):237-251.

MODENESI, M.C. 1988. Significado dos depósitos correlativos quaternários em Campos do Jordão - São Paulo: implicações paleoclimáticas e paleoecológicas. Bol. Inst. Geol., 7, 155 p.

HIRUMA, S.T. & RICCOMINI, C. 1999. Análise morfométrica em neotectônica: o exemplo de Campos do Jordão, SP. Revista do Instituto Geológico, 20(1/2), 5-19. (http://www.igeologico.sp.gov.br/downloads/revista_ig/20_1-2_1.pdf)

MODENESI-GAUTTIERI, M.C., HIRUMA, S.T., RICCOMINI, C., 2002. Morphotectonics of a high plateau on the northwestern flank of the Continental Rift of southeastern Brazil. Geomorphology, 43 (3/4), 257–271.

HIRUMA, S.T., RICCOMINI, C. , MODENESI-GAUTTIERI, M.C. 2001. Neotectônica no Planalto de Campos do Jordão, SP. Revista Brasileira de Geociências, 31 (3): 375-384. (http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/rbg/article/view/10729)

MODENESI-GAUTTIERI, M.C. & HIRUMA, S.T.  2004. A expansão urbana no planalto de Campos do Jordão: diagnóstico geomorfológico para fins de planejamento. Revista do Instituto Geológico, 25(1/2): 1-28. (http://www.igeologico.sp.gov.br/downloads/revista_ig/25_1-2_1.pdf)

TEIXEIRA, A.L.; GAUCHER, C.; PAIM, P.S.G.; FONSECA, M.M.; PARENTE, C.V.; SILVA FILHO, W.F.; ALMEIDA, A.R.  2004. Bacias do Estágio da Transição da Plataforma Sul-Americana. In: Virgínio Mantesso-Neto; Andrea Bartorelli; Celso Dal Ré Carneiro; Benjamin Bley de Brito-Neves. (Org.). Geologia do Continente Sul-Americano: Evolução da Obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. 1ª ed. São Paulo: Beca Produções Culturais Ltda., v. único, p. 487-536.

PERROTA, M.M.; SALVADOR, E.D.; LOPES, R.C.; D’AGOSTINO, L.Z.; PERUFFO, N.; GOMES, S.D.; SACHS, L.L.B.; MEIRA, V.T.; LACERDA FILHO, J.V. 2005. Mapa Geológico do Estado de São Paulo, escala 1:750.000. Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil, CPRM, São Paulo.

HIRUMA, S.T., RICCOMINI, C., MODENESI-GAUTTIERI, M.C., HACKSPACHER, P.C., HADLER NETO, J.C., 2008. Significado tectônico e denudacional das cimeiras do sudeste do Brasil (Planaltos de Campos do Jordão e da Bocaina). 44th Congresso Brasileiro de Geologia, 44, Curitiba, SBG, Anais, 293.

(*)assinalar em destaque trabalhos dos candidatos a autor e co-autor

12. FOTO E SINOPSE DO CURRICULUM VITAE DO(S) CANDIDATO(S) A AUTOR(ES)(*):

Silvio Takashi Hiruma: Graduado em Geologia pelo Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, Mestre em Ciências (Programa de Geologia Sedimentar) e Doutor em Ciências (Programa de Geoquímica e Geotectônica) pela mesma instituição. Pesquisador Científico do Núcleo de Geomorfologia do Instituto Geológico da Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo desde 1993. Tem desenvolvido trabalhos nas áreas de Geomorfologia, Neotectônica e Geomorfologia Cárstica.

 

 

 

Antonio Luiz Teixeira: Graduou-se em Geologia pelo Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, em 1979, onde também obteve os títulos de Mestre e Doutor em Ciências no âmbito do Programa de Geologia Sedimentar deste instituto, em 1995 e 2000, respectivamente. Ingressou no Instituto Geológico do Estado de São Paulo em 1988, onde é Pesquisador Científico do Núcleo de Geologia Geral. Atua na área de Geologia Regional, com enfoque nos temas da Estratigrafia, Geologia Estrutural e da Sedimentação e Tectônica.

 

RESERVADO À SIGEP:
DATA APROVAÇÃO DA PROPOSTA:     10/10/10   -   MINUTA PREVISTA PARA:   10/ 05/11    
Última data revisada:   10/6/11   

=> CIRCULAR A GEOCIENTISTAS
Enviada em: segunda-feira, 16 de agosto de 2010 19:00
Para: Silvio Takashi Hiruma (sthiruma@gmail.com)
Assunto: ENC: SIGEP - Novas propostas de SÍTIOS - critique e sugira
Prezado colega geocientista,

formuladas novas propostas de sítios geológicos candidatos a Patrimônio Natural da Humanidade:

  Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP
Proponentes: Silvio Takashi Hiruma; Antonio Luiz Teixeira
Ver em www.unb.br/ig/sigep/propostas/Pedra_do_Bau_Sao_Bento_do_Sapucai_SP.htm

 Sítio Fossilífero Predebon, Quarta Colônia, RS
Proponentes:Rafael Costa da Silva; Michel Marques Godoy;  Raquel Barros Binotto; Henrique Zerfass
Ver em www.unb.br/ig/sigep/propostas/Sitio_Fossilifero_Predebon_QuartaColonia_RS.htm    

 A SIGEP (*) aguarda seus comentários, a favor ou contra, críticas e sugestões a estas propostas (**).

 Comissão Editorial da SIGEP
-------------------------
 (*)       A Comissão multi-institucional SIGEP (http://www.unb.br/ig/sigep/) objetiva o inventário de sítios geológicos e paleobiológicos do Brasil que,  por características especiais, devam ser preservados ou conservados e a sua publicação, tanto na Internet quanto em livro, na forma de artigos científicos. 
Em cada artigo, alem dos tópicos descritivos do sítio, são indicadas e sugeridas medidas de proteção do sítio a ser preservado de forma sustentável, se possível, como Patrimônio Natural para fins científicos, didáticos, culturais, eco-geoturísticos.  
A partir dessa base de dados, disponibilizada em livros e na Internet, em português e em inglês, serão selecionados sítios a serem propostos à UNESCO como Patrimônio Natural da Humanidade
Este cadastro corresponde, na realidade, a um "open ended file" como pode ser visto na lista de propostas elaboradas por geocientistas que se comprometeram com a descrição dos sítios e já aprovadas (ver em http://www.unb.br/ig/sigep/quadro.htm ). Nesse mesmo endereço, acessa-se também uma lista de SÍTIOS APROVADOS PELA SIGEP E AGUARDANDO PROPOSTAS DE AUTORES QUE TENHAM DESENVOLVIDO TESE OU PESQUISAS NA ÁREA DO SÍTIO. Além dessas propostas aprovadas, sugestões de mais sítios vem sendo sistematicamente submetidas à SIGEP via formulário padrão de acordo com os princípios definidos em: http://www.unb.br/ig/sigep/formulario.htm 
Os sítios já registrados e publicados podem ser acessados em http://www.unb.br/ig/sigep/sitios.htm . ou via
Veja e acesse os capítulos no MAPA ÍNDEX DO BRASIL: http://www.unb.br/ig/sigep/mapindex/mapindex.htm
Descrições em linguagem popular tem sido estimuladas com vistas à ampla divulgação das geociências e, especificamente, de uma visão preservacionista; elas podem ser encontradas em:  http://www.unb.br/ig/sigep/apresenta.htm#Boa_leitura
= = = = = =

(**)  Propostas de sítios brasileiros e de sua descrição científica sistematizada, com vistas a compor base de dados de nossos MONUMENTOS GEOLÓGICOS, vem sendo submetidas através de formulário padronizado.
Tais propostas são disponibilizadas na Internet  para conhecimento e avaliação, não só por parte dos membros da  comissão SIGEP mas, tambem, da comunidade geocientífica em geral.
Comentários, a favor e contra, sugestões e críticas pertinentes, juntamente com as réplicas e tréplicas, são veiculadas tambem na mesma página da proposta.
     Ver outras propostas em estudo  http://www.unb.br/ig/sigep/propostas/  
    A SIGEP está recebendo, também, SUGESTÕES EM CARÁTER PRELIMINAR de sítio(s) que o colega julgue que deva ser preservado como monumento geológico, mesmo que no momento não tenha realizado pesquisas suficientes para assumir o compromisso de sua descrição com artigo científico. 
Antes de propor qualquer novo sítio, entretanto, veja se ele atende aos pré-requisitos definidos na página de acesso ao formulário. Veja também se ele já não foi elencado em:
SUGESTÕES PRELIMINARES
PROPOSTAS CANCELADAS
PROPOSTAS EM ESTUDO
PROPOSTAS APROVADAS
SÍTIOS PUBLICADOS
**Favor divulgar em sua lista de geocientistas**


COMENTÁRIOS, CRÍTICAS E SUGESTÕES DA SIGEP
E DA COMUNIDADE GEOCIENTÍFICA
E RÉPLICAS DO PROPONENTE


De: Carlos Fernando M.Delphim [mailto:cfmd@oi.com.br]
Enviada em: domingo, 8 de agosto de 2010 05:37
Assunto: Re: RES: Proposta de Sítio: Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP

......... 
A Pedra do Baú é um sítio de enorme valor sob o ponto de vista cultural e merece ser protegido seja pelo tombamento, seja como paisagem cultural  brasileira, a mais nova forma de ~reconhecimento de valor de sítios e paisagens do IPHAN.
.............
Carlos Fernando
Representante do IPHAN


De: ricardolatge@petrobras.com.br [mailto:ricardolatge@petrobras.com.br]
Enviada em: quarta-feira, 11 de agosto de 2010 12:05
Para: Manfredo Winge
Assunto: Re: RES: Proposta de Sítio: Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP

 Apoio a inclusão deste sítio. Faço apenas reparos a indicação geoconológica - se o soerguimento ocorreu em torno de 100 Ma, então foi no Albiano, Idade integrante do Eocretáceo. Registro em negrito as alterções sugeridas ao texto

A evolução do relevo do Planalto de Campos do Jordão, onde se insere a Pedra do Baú, está intimamente relacionada aos processos tectono-magmáticos e denudacionais que se sucederam à ruptura continental e à abertura do Oceano Atlântico Sul (Neocretáceo). Os limites do planalto são essencialmente tectônicos. Resultados preliminares da análise de traços de fissão em apatitas, obtidas no frontão sudeste do planalto, forneceram idades em torno de 100 Ma e registram episódios de soerguimento e de denudação possivelmente associados ao magmatismo alcalino eocretáceo e à formação do Rift Continental do Sudeste do Brasil (RCSB). Na porção leste do Estado de São Paulo, a origem e evolução do RCSB durante o Paleógeno teve um papel decisivo na configuração atual do relevo, representada pelas Serras do Mar e da Mantiqueira, como feições soerguidas, e a Bacia de Taubaté, como feição rebaixada.
Saudações
Ricardo


De: Silvio Hiruma [mailto:sthiruma@gmail.com]
Enviada em: domingo, 15 de agosto de 2010 00:30
Para: Manfredo Winge
Cc: Antonio Luiz Teixeira
Assunto: Re: RES: Proposta de Sítio: Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP

Prezado Manfredo:
Considerando as importantes ponderações do colega Latgé, acho que a construção da frase com a inclusão do parênteses com a idade após a frase "processos tectono-magmáticos e denudacionais que se sucederam à ruptura continental e à abertura do Oceano Atlântico Sul" pode confundir o leitor. Creio que a indicação cronológica possa ser excluída. Em relação ao episódio de soerguimento e denudação, embora as idades sejam por volta de 100 Ma (92± 10 e 112 ±12 Ma) - Eocretáceo - a história termal registra um resfriamento contínuo que engloba também o magmatismo alcalino neocretáceo e o desenvolvimento do rift continental.  Mas são resultados preliminares de 2 amostras. Vou refinar a história termal com novas modelagens para uma melhor definição desse intervalo.

Vide texto abaixo com mudanças:

A evolução do relevo do Planalto de Campos do Jordão, onde se insere a Pedra do Baú, está intimamente relacionada aos processos tectono-magmáticos e denudacionais que se sucederam à ruptura continental e à abertura do Oceano Atlântico Sul. Os limites do planalto são essencialmente tectônicos. Resultados preliminares da análise de traços de fissão em apatitas, obtidas no frontão sudeste do planalto, forneceram idades em torno de 100 Ma e registram episódios de soerguimento e de denudação possivelmente associados ao magmatismo alcalino e à formação do Rift Continental do Sudeste do Brasil (RCSB). Na porção leste do Estado de São Paulo, a origem e evolução do RCSB durante o Paleógeno teve um papel decisivo na configuração atual do relevo, representada pelas Serras do Mar e da Mantiqueira, como feições soerguidas, e a Bacia de Taubaté, como feição rebaixada.

Muito grato pela atenção
Att
Silvio


De: acsfernandes@pq.cnpq.br [mailto:acsfernandes@pq.cnpq.br]
Enviada em: terça-feira, 17 de agosto de 2010 10:12
Para: SIGEP
Cc: 'Silvio Hiruma'; Antonio Luiz Teixeira;
Assunto: Re: RES: Proposta de Sítio: Pedra doBaú, São Bento doSapucaí, SP
Prezado Manfredo e demais colegas,
entendi tratar-se de um sítio interessante e de importância geológica com grande potencial para o geoturismo, além de ser naturalmente protegido.
Recomendo a sua aprovação e que os autores providenciem o mais rápido possível o texto completo para análise.
Atenciosamente,
Antonio Carlos S. Fernandes (Representante da SBP na SIGEP)


De: Manfredo Winge [mailto:mwinge@terra.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 23 de agosto de 2010 18:01
Para: SIGEP
Cc: Antonio Luiz Teixeira (candeias@igeologico.sp.gov.br); Silvio Takashi Hiruma (sthiruma@gmail.com)
Assunto: RES: Parecer da SBG - proposta de SÍTIO Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP

 Prezados colegas da SIGEP,
a proposta de sítio “Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP” caracteriza este sítio como de destaque nas tipologias  geomorfológica e geotectônica  e na beleza cênica que apresenta.
Na lista bibliográfica são relacionados trabalhos realizados pelos proponentes que são de interesse para o conhecimento da evolução geológica/geomorfológica do sítio, o que habilita os proponentes a elaborarem de imediato capítulo com a descrição científica do sítio no padrão da SIGEP.
Isto considerado, apresento, representando a SBG, parecer FAVORÁVEL à proposta.

 Manfredo Winge
Representante da SBG na SIGEP


De: ricardolatge@petrobras.com.br [mailto:ricardolatge@petrobras.com.br]
Enviada em: terça-feira, 24 de agosto de 2010 08:28
Assunto: Enc: RES: Proposta de Sítio: Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP
..............
Pode incluir meu apoio ao sítio. Vi que os autores preferiram excluir referência a unidades geocronológicas do Cretáceo. Uma solução adequada, posto que 100 Ma está muito próximo do limite entre o eo e o neocretáceo (98,9Ma).
Saudações
Ricardo
Representante da Petrobras na SIGEP


De: Manfredo Winge [mailto:mwinge@terra.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 4 de outubro de 2010 18:47
Para: SIGEP
Assunto: ENC: SITIO Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP - PARECERES DA SIGEP
Prezados colegas da SIGEP,
decorridos quase 60 dias da apresentação da proposta da Pedra do baú, SP, temos 4 votos favoráveis (insuficientes para aprovação) e nenhum contrário conforme pode ser visto em:
www.unb.br/ig/sigep/propostas/Pedra_do_Bau_Sao_Bento_do_Sapucai_SP.htm

 Os representantes que ainda não deram seu parecer e voto, favor fazê-lo.

 Sds
Manfredo
Manfredo Winge
Representante da SBG na SIGEP


De: Carlos Schobbenhaus [mailto:schobben@df.cprm.gov.br]
Enviada em: terça-feira, 5 de outubro de 2010 09:27
Para:SIGEP
Assunto: Re: SITIO Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP - PARECERES DA SIGEP
......
apresento parecer FAVORÁVEL à aprovação da proposta.
Carlos Schobbenhaus
Representante da CPRM na SIGEP


De: william sallun filho [mailto:wsallun@gmail.com]
Enviada em: quinta-feira, 7 de outubro de 2010 23:07
Para: SIGEP
Assunto: Re: SITIO Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP - PARECERES DA SIGEP
Manfredo e demais
Eu não me manifestei, mas o Clayton havia manifestado como FAVORÁVEL, em agosto.
abs
William
Representante SBE


De: Manfredo Winge [mailto:mwinge@terra.com.br]
Enviada em: terça-feira, 12 de outubro de 2010 21:17
Para: Antonio Luiz Teixeira (candeias@igeologico.sp.gov.br); Silvio Takashi Hiruma (sthiruma@gmail.com)
Cc: SIGEP
Assunto: Proposta: Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP - APROVADA

 REF: Sítio:   Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP
 Proponentes: Silvio Takashi Hiruma; Antonio Luiz Teixeira 
 Prezados Silvio e Antônio Luiz, 
seguindo as normas da SIGEP, comunicamos, com satisfação, que a proposta de vocês de registro de sítio geológico com compromisso de descrição foi aprovada.
Assim, o sítio "
Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP ", passa a ser relacionado na lista de sítios aprovados e com autores comprometidos com a sua descrição que pode ser acessada em: http://www.unb.br/ig/sigep/quadro.htm.
Isto considerado, solicitamos confirmar se a data mais provável de submissão (*) do artigo é a que consta na página da proposta. O artigo científico, uma vez aprovado juntamente com o elenco de recomendações de vocês para a preservação/conservação como patrimônio geológico, registrará em definitivo o sítio no inventário da SIGEP através de publicação na Internet e, futuramente, como um capítulo, em volume de SÍTIOS GEOLÓGICOS E PALEONTOLÓGICOS DO BRASIL da SIGEP.
Qualquer dúvida a respeito favor nos contactar,

cordiais saudações
Manfredo
p/corpo editorial
c/c SIGEP
Manfredo Winge
Representante da SBG

(*) Observações sobre as Instruções  para os autores
A elaboração da minuta do capítulo deve seguir as instruções para os autores (*http://www.unb.br/ig/sigep/InstrucoesAutores.htm *) e considerar as sugestões e recomendações eventualmente apresentadas pela comunidade geocientífica e pelos membros da SIGEP na página Internet da proposta em questão.
Solicitamos leitura atenta das instruções aos autores e destacamos alguns pontos importantes:
- o roteiro básico do capítulo (itens principais) deve ser seguido visto que organiza as informações, facilitando o seu acesso no inventário geral dos geossítios;
- enviar o texto em Word em uma coluna só, mas já no formato geral especificado e tipos de letras determinados (faremos a editoração final do pre print em duas colunas após a revisão final e aprovação do artigo);
- atentar para a escolha adequada de título e subtítulo para o artigo, concisos, mas que dêem clara idéia do sítio descrito e de sua tipologia principal, ou seja, podem ser mudados os títulos sugeridos na proposta se julgado pertinente;
- a elaboração da versão em inglês é recomendável e até obrigatória para a divulgação internacional de nosso patrimônio geológico; ela  somente deverá ser encaminhada após a aprovação do capítulo e ser, rigorosamente, igual em conteúdo a versão em português;
- a elaboração de versão popular (com linguagem acessível e vibrante) do artigo para a divulgação de nossos sítios junto à sociedade em geral é considerada de grande relevância para a divulgação das geociências;
- é recomendável o uso de uma (ou duas) foto significativa e bonita (Fig. 1) em página inteira, com ou sem encarte, que retrate da melhor forma possível o sítio nas primeiras páginas do artigo;
- rigorosa seleção das figuras e fotos em termos de qualidade e significância, evitando repetições;
- todas as figuras e fotos, com ótima resolução e QUALIDADE a melhor possível, deverão ser enviadas em arquivos separados logo após a aprovação do artigo; entretanto, sugerimos que elas sejam, inicialmente, inseridas no texto da minuta em Word (sem caixa de textos) com resolução rebaixada (~ 100 dpi; largura maior 170mm) evitando-se, nesta fase inicial de análises e revisões, arquivos muito grandes na internet;
- se ainda não foi encaminhado na proposta, providenciar minicurrículo (até 120 palavras) e uma foto  tipo 3x4 de cada  um dos autores ;
- desdobrar, na medida do possível, o capítulo MEDIDAS DE PROTEÇÃO nos ítens indicados;
- sobre o capítulo SINOPSE SOBRE A ORIGEM, EVOLUÇÃO GEOLÓGICA E IMPORTÂNCIA DO SÍTIO: deve ser conciso e, na medida do possível, de linguagem acessível a não especialistas. O seu objetivo é apresentar, em um único local do artigo, uma síntese da história geológica do sítio pondo em destaque os eventos geológicos, paleobiológicos, paleoclimáticos, geotectônicos..., de preferência cronologicamente organizados, que estiveram ligados à formação e à evolução do sítio até a sua presente ocorrência. Uma certa redundância até poderá ocorrer com relação a aspectos apresentados com mais detalhe em outros ítens como o da DESCRIÇÃO DO SÍTIO, mas aqui devem ser abordados de forma enxuta/concisa e organizada (sinóptica) que enfatize os fenômenos evolutivos que sejam relevantes em qualquer dimensão e conceito (físico/químico, micro a macro até de tectônica global se for o caso).  Estima-se que para este ítem seja suficiente uma página de texto (sem contar eventuais figuras adicionais inseridas) mas, conforme a complexidade evolutiva, poderá se ter até duas páginas, finalizando-se com um parágrafo que, também de forma concisa, indique claramente o porquê da importância extraordinária do sítio.

 =-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=


PLANILHA DE

AVALIAÇÃO FINAL DE PROPOSTA
DE DESCRIÇÃO DE SÍTIO GEOLÓGICO - PALEOBIOLÓGICO

Nome do Sítio: Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí, SP
Proponente(s):
Silvio Takashi Hiruma; Antonio Luiz Teixeira

Considerando os pareceres, comentários e réplicas constantes na página da proposta, as instituições membros da SIGEP, assim se pronunciam, através de seus representantes titulares, quanto à proposta em epígrafe

INSTITUIÇÃO

PARECER:
1- Aprovação
2- Não aprovação (*)
3- Abstenção
4-
Restrições/Exigências (*)

Academia Brasileira de Ciências – ABC 3- Abstenção
Associação Brasileira de Estudos do Quaternário – ABEQUA 3- Abstenção
Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM 3- Abstenção
Instituto Brasileiro dde Geografia e Estatísitica – IBGE 3- Abstenção
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis– IBAMA 3- Abstenção
Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN

1- Aprovação

Petróleo Brasileiro SA - PETROBRAS

1- Aprovação

Serviço Geológico do Brasil – CPRM

1- Aprovação

Sociedade Brasileira de Espeleologia – SBE

1- Aprovação

Sociedade Brasileira de Geologia – SBG

1- Aprovação

Sociedade Brasileira de Paleontologia – SBP

1- Aprovação

(*) - Apresentar análise e justificativa(s), claras e concisas